Diario de Bordo
Home Galeria de fotos Anúncios Denuncias Diario de Bordo Historia da Pesca Quero Doar Pesca Esportiva Legislação Ambiental Canal do Tempo Músicas

 

Join 4Shared Now!

 

 

Hit Counter

Brasil>Diario de Bordo

O texto a seguir refere-se a primeira viagem do barco "AnaTerra", um lagosteiro construído na Paraíba e transformado em barco de pesca de fundo, com 14 metros de comprimento e 3,40 mts de boca, com urnas para 3.000 kg de gelo,  7 beliches e autonomia de 15 dias em alto-mar, registrado na Capitania dos Portos de Porto Seguro, de propriedade do autor deste site (Edson Teixeira das Chagas Jr).

Tripulação dessa viagem: Comandante - Mestre Liu. Cozinheiro e Contra-mestre - Eduardo. Motorista - Gringo. Gelador - Tero. Edson e Palito. (Todos são pescadores). 

01/11/1988 - (Terça-feira)

11:50 hs - Após vários motivos de atraso, cujo principal foi a espera pelo eletricista que iria colocar o relê novo, saímos de Porto Seguro pela Barra do Rio Buranhén, aproando 170 graus.

13:00 hs - Ainda avistamos a costa, e... Puf! paramos para resolver um problema no relê. Parece que ele se nega a gerar carga para a bateria.

14:00 hs - Continuamos viagem ainda a 170 graus. O Mestre "Liu" me chamou para cumprir meu turno de 2 horas ao timão, e eu descobri que não é nada fácil seguir um rumo fixo no meio do oceano. Após algumas "cagadas", decidi entregar o comando ao Mestre novamente. Ainda é cedo para mim.

Volto ao convés. estou impressionado com o azul do mar.

Ainda avistamos o Monte Pascoal, é o nosso único referencial em terra.

17:00 hs - Há muito tempo não avistamos mais o Monte Pascoal. O mar continua cada vez mais azul. Bati algumas fotos, mas não sei se sairão como espero.

Avistamos alguns barcos fundeado, o que significa que chegamos ao nosso destino, ou seja, as "Fundagens de Caraiva".

Tão logo paramos e preparamos as linhas, o primeiro "Peixe" a ser visto sem ser as sardinhas reservadas para isca, é claro, foi uma baleia. Vibrei. Nunca tinha visto uma ao vivo. ela deu três saltos a uns 300 metros a nossa frente e depois foi embora. Não deu tempo de fotografar, fiquei deslumbrado demais para lembrar que tinha uma maquina.

18:00 hs - Começamos a trabalhar. Ainda é dia e os peixes ainda não apareceram. Pelo visto vou continuar na minha vida boêmia, viver a noite e dormir durante o dia.

19:00 hs - Escureceu e as Guaiúbas chegaram. Agora é só trabalhar.

03:00 hs - A maré está muito forte e não dá para pescar mais. Vou dormir sabendo que não fui o pior pescador dessa noite. Tem pelo menos 2 atrás de mim.

Boa noite, minhas mulheres(Rô, Ana Terra e Juca).

02/11/1988 - (Quarta feira)

                Parabéns p/ a Ana Terra, pelo seu  3o. mês de vida. Te Amo. 

16:00 hs - Nenhum fato importante a registrar, a não ser que tenho me lembrado do Amir Klink. Minha bunda dói de tanto ficar sentado. Ainda não evacuei, e olha que tenho comido bastante. O cozinheiro é muito bom. Aliás, a equipe toda é muito boa.

Fato a registrar: Não enjoei, nem mesmo fiquei mareado.

17:00 hs - Expectativa da chegada da noite. Um a um todos vão acordando e se preparando para a noite de pescaria. Eu também.

18:00 hs - Na hora de arriar as linhas, fui o primeiro a fisgar um peixe. Lutou muito, mas quando subiu foi uma decepção. Era um Peroá.

03:00 hs -  Já mudamos de pesqueiro 3 vezes. A pesca está fraca e ainda por cima tem uma Pescada Goiva(Barracuda) em baixo do barco, que já cortou pela metade alguma Guaiúbas grandes e até uma Goivara de uns 5 kg.

Pane na parte elétrica e coincidentemente no lampião também. O reserva que trouxe não presta.

Começa a chover e ameaça vento sul. Vou deitar e acordo pouco depois com uma goteira direto na cara. Não tem escapatória, durmo molhado mesmo.

03/11/1988 - (Quinta-feira)

06:00 hs - Acordo com a luz do dia e com a goteira que já é normal. Estamos todos molhados. Vamos sair daqui, o destino é o Rio Grande. Sete horas de viagem para o norte. Iremos parar no rumo de Belmonte. Iremos arriscar Guaiúbas e Peixotes.

08:30 hs - Máquina ligada, vamos zarpar. Amo minha família. Estou com saudades de todos e principalmente da Juca, que já faz tempo com quem não falo. Lembro-me também dos amigos. Uma fofoca que me passa pela cabeça no momento. "Acho que isto realmente não é vida para o Darci".

10:00 hs - É a minha vez de pegar o quarto de hora (Turno de 2 hs ao timão), Hoje senti a verdadeira sensação de pilotar um barco. Recebi mais uma explicação do Mestre Liu de como manter o rumo, e peguei no leme. Desta vez consegui firmar e o Liu me entregou o comando de verdade. Quando dei por mim, estava sozinho. Todos dormindo, com exceção do Palito, que é o meu companheiro de quarto de hora. Segui viagem tranqüilo e no rumo.

De repente levei o maior susto, o Palito deu um grito na popa e eu pensei que algo de grave tinha acontecido. Parei a máquina e fui ver o que era. Todos os outros, experientes,  acordaram com a ausência do ronco do motor, e o Liu veio também ver o que era. O Palito tinha ferrado um Dourado na linha de corso(Currico), e pediu exatamente para eu parar a máquina para que ele trabalhasse o peixe. Alguns minutos depois o bicho estava a bordo. Voltei ao comando e retomei o rumo. Liu se entusiasmou e o gringo também. Arriaram as linha de currico e mais alguns minutos, o grito de parar máquina outra vez. Desta vez o gringo e o Palito ferraram ao mesmo tempo, cada um , uma cavala. Após bicheirar, o Liu assumiu o comando e mudou o rumo para 90 graus (leste). A partir daí passou a sondar o fundo, até achar um pesqueiro, algumas horas depois.

18:00 hs - Viva..."Caguei". E foi a cagada mais linda da minha vida. Foi sob um maravilhoso pôr-do-sol.(Fotografado).

Em tempo. No inicio do dia, algumas Toninhas acompanharam o barco e me acordaram para fotografar. Não deu tempo.

20:00 hs - Finalmente paramos. A partir daí até as 08:00 hs da manhã foi só pescar Guaiúbas. Não sei quanto, mas foi muito. Eu iniciei a minha noite ferrando um Badejo grande, que escapou e ficou boiando a flor d'água. Todos tentaram me ajudar a pegá-lo, mas ele se recuperou e fugiu. Fui examinar a linha e anzol de pescar Guaiúba, e constatei que o anzol não agüentou o peso e abriu. Mais tarde fui recompensado com um belo exemplar de Dentão.

04/11/1988 - (Sexta-feira)

 08:00 - Não citei ainda, mas o almoço a bordo é servido entre 8 e 9 hs da manhã. Já está cheirando, mas acho que não vou agüentar esperar por ele, muito menos tratar das minhas mãos que estão doendo. Deve ter um monte de novos furos, após uma noite inteira de pesca de Guaiúbas.

08:30 hs - Vou embarcar para lençóis. 

12:00 hs - O palito me acorda para assumir o quarto de hora. Chove! Aproveito para preparar as minhas linhas para a noite. Debaixo de chuva, assim aproveito e molho o corpo com água doce e tiro um pouco do sal do corpo.

15:00 hs - Entre o preparo das linhas e escrever o diário de ontem e de hoje, o tempo passou. Vou agora tratar das mãos.

05/11/1988 - (Sábado) 

17:00 hs - A noite de ontem não tem registro, choveu direto e não houve pescaria. Hoje cedo, se tivéssemos pescado mais chincharros, que é um peixe noturno usado como isca viva, teríamos pescado muitos Olho de boi. No mais é esperar que o tempo continue bom e e que a pescaria seja boa.

Uma coisa que merece registro, é que hoje me peguei tranqüilo em relação a possível preocupação que a Rosana possa estar sentindo. É o seguinte: Como estou escrevendo todos os dias, em minha cabeça, estou mantendo contato direto. Espero que assim seja e que ela esteja realmente tranqüila. 

Hoje tomei uma decisão: Na próxima viagem eu não embarcarei. Quero ver se vou a São Paulo ou Rio de Janeiro , para comprar uma sonda (Furuno). Descobri que dentro de um barco de pesca, este é o melhor investimento que se pode fazer.

Outro ponto de registro para a Rosana me lembrar: A comida a bordo é muito apimentada. Preciso me prevenir com castanha da índia.  Ah sim, faltou algodão.

Sniff-sniff-buaaá. O jantar de hoje vai ser o Dentão que peguei. Não teve jeito de defende-lo. Pelo menos o cheiro está bom...

06/11/1988 - (Domingo)

15:00 hs - Mais uma noite sem peixes. Foram pegos bastante chincharros, mas hoje os peixes grandes resolveram não vir a bordo. Nas Beiradas, onde estávamos, (na carta náutica , é onde a profundidade cai de 30 para 200 braças e depois para 2000 braças de profundidade) com certeza tem peixe. Acontece que a viração não ajudou. Ventos de Leste e Sueste mais o vento Sul  brigavam para se imporem e não deixavam o barco se aprumar sobre o barranco. Depois do Almoço (10:00 hs) tomamos a decisão de nos rendermos e mudarmos de pesqueiro. Próximo destino é o Mar da Areia Preta, 3 hrs ao Sul(180-190 graus) das Beiradas. É onde estamos agora, sondando o fundo para acharmos o pesqueiro.(Preciso comprar a sonda...)

O Palito tem me decepcionado. Além de pegar pouco, tem se mostrado muito valentinho com os outros, não agüentando brincadeiras e querendo briga. Já disse ao Liu: Se na próxima viagem, ele não melhorar em todos os sentidos, não haverá uma terceira viagem para ele.

O Gringo tem sofrido muito, desde que saiu do porto, com uma terrível dor de dente. Preciso providenciar remédios específicos, para a próxima viagem, além de repor esparadrapo e Saridon na farmacinha. A tripulação parece contente com esta providencia. Ao que consta, nenhum barco de Porto Seguro se preocupa com isto.

Há alguns minutos, o cozinheiro nos preparou um café e eu brindei a tripulação com um Minister para cada um. Parecem crianças saboreando um doce raro, só vendo para poder avaliar. Já faz tempo que acabou o cigarro deles, e estão todos fumando trevo, que é um fumo de pacote.(Ruim) O que me parece, é que eles compram cigarro em sociedade, optando por poucos maços e muito trevo, por uma questão financeira.

Vamos tentar hoje uma pescaria de Badejos. Boa sorte para nós e uma boa noite de trabalho.

Mudamos de pesqueiro. Fomos para o Mar da Bóia, que fica no rumo de Porto Seguro a umas cinco horas de distancia. Nada. Fui deitar. Na próxima mudança de lugar, dentro do mesmo Mar da bóia, o motor começou a engasgar. Como não dava para limpar o filtro à noite, o Liu deixou o barco à deriva, até encontrar um fundo de pedra. Durante a noite, o Liu e o Palito, os únicos acordados, pescaram uns 40 kg de peixe. Pagou a noite.

07/11/1988 - (Segunda feira)

06:00 hs - De manhã consegui pescar alguns peixes, enquanto o Liu e o Gringo limpavam o filtro. Zarpamos.

09:00 - Parece que achamos um bom pesqueiro. Já foram pegos alguns Badejas, um Olho de boi e alguns peixes miúdos. Parece que é um buraco. Vamos aguardar a noite para ver o que acontece.

15:00 hs - Nunca pensei que fosse acontecer isto, mas trocaria uma caixa de cerveja gelada por um puta banho de água doce. O meu corpo está cheio de bolinhas por falta de banho.

O gringo está melhor de sua dor de dente.

Fiz o cheque semanal do Liu. Ele não pode dizer que o seu salário atrasou.

Pôr do sol maravilhoso. Fiz algumas fotos dele e outras de algumas molecagens a bordo.

19:00 hs - Todos com linha n'água. A noite não promete muito, mas pouco a pouco vai mudando e o peixe começa a aparecer. No final, é a melhor noite desde que choveu pela primeira vez.

02:00 hs - O Palito recolheu a linha e foi dormir dizendo que não conseguia pescar. Liu não tinha percebido. Chamei sua atenção e ele foi acordá-lo puto da vida. Deu-lhe o maior esporro, pondo-o para trabalhar.

08/11/1988 - (Terça-feira)

Nascer do sol digno de fotografar. 

Hora de guardar o pescado na urna. Palito está resmungando e Liu lhe pergunta se não está satisfeito com o resultado de sua noite, após ter sido acordado. Ele respondeu, malcriadamente, que não estava preocupado com isto. Neste momento eu gritei que "Eu estava" e o Liu no mesmo momento anunciou que ele seria desembarcado. Pronto, está feito. Quem tem preguiça de trabalhar, não pode tomar o lugar de quem tem disposição e precisa. Pena Palito. Cheguei a gostar de você.

07:00 hs - Chega a hora de mudar de pescaria. As Guaiúbas foram embora e chegaram os peixes grandes: Badejo, Olho de boi, Cioba, Dentão, Dourado, etc...

Ferrei um Badejo. Deve ter uns 10 kg. Começou a gozação, dizendo que ele é do tipo Marca-pato, e que queria panela. Fiz algumas ameaças e tudo ficou bem. Como eu sabia desde o começo, era tudo brincadeira.

09:00 - Almoço e cama. Expectativa de usarmos nossa ultima caixa de sardinhas para podermos ir embora. Esperamos que seja esta noite e que amanhã  zarpemos.

O rancho já está acabando. O café e a pimenta já estão sendo racionados, e o açúcar foi pouco. O fumo Trevo dos tripulantes já está miando. Fiz um balanço do meu estoque, e dei um maço de Minister para o Liu repartir entre eles. Fizeram a maior festa.

13:30 hs - Bem, estou no meu quarto de hora. Preciso verificar que nenhum navio venha sobre nós. Estamos numa rota deles. Hoje por exemplo, passou um de bandeira francesa a uns 400 mts da gente. 

Tomara que amanhã eu escreva o restante deste diário em casa.

24:00 hs - Ufa! A pescaria acabou, estamos agora nos preparativos para zarpar para terra. A pescaria foi boa. A sardinha acabou, senão esperaríamos pela madrugada.

Tero o Gelador, esta desempenhando seu papel, ou seja, está acondicionando o peixe nas urnas.

Gringo, o motorista, já supervisionou o motor.

Todos os outro estão recolhendo linhas, guardando anzóis, liberando o convés para ser lavado. Só eu não estou contribuindo nos preparativos, pois ainda não tenho firmeza de locomoção neste convés escorregadio.

Eduardo, o Cozinheiro, para encerrar sua viagem, pescou um Caramuru(Moréia).

Liu, o Mestre, além de ajudar a todos, supervisiona tudo com muita responsabilidade. Por mim, ele continua sendo o Mestre do "Ana Terra" enquanto ele quiser. Ele é muito bom no seu "metier".

Edson, o novato, termina este diário, muito contente com sua nova vida profissional. É sacrificada, cansativa, mas compensadora. Tanto financeiramente, pois calculamos em torno de 1.000 kg de pescado, mas principalmente pelo sonho realizado.

Aguardo agora com muita ansiedade, o momento de rever minhas mulheres. Amo-as e também a Juca Bala.

06:00 hs - Entramos na Barra de Porto Seguro, no exato momento em que o sol nascia. Fotografei, estava lindo.

Encostamos no cais da Cooperativa. Depois das manobras de atracação, a primeira coisa que fiz foi tomar um puta banho de água doce e fria nos chuveiros da cooperativa. Já me sinto muito mais leve.

Quero achar quem é que disse que a terra é firma. Assim que saí do barco, a terra dançou. Quase fui ao chão.

08:00 - Está começando o desembarque do pescado. Vou conferir.

Brasil>Diario de Bordo

                   ©Copyright by Edson Chagas -(38) 8815-5038  (11) 8154-5005©